Testemunhos

Vem aqui, vem aqui !

Gabriel Paulino
Escrito por Gabriel Paulino em 25 de fevereiro de 2014

Testemunho do italiano Nicola Pacini

Nicola PaciniEra a manhã de 8 de dezembro. Nicola Pacini deixou a cadeira de rodas e se pôs a caminhar na presença de alguns de nosso grupo, que me informaram. Mais tarde o encontrei em Tijalina (ex-paróquia de padre Jozo) quando entrou na sacristia para saudar padre Jozo, que o fez sentar no presbitério.
No domingo seguinte a tarde o vi novamente na igreja de Medjugorje, enquanto padre Slavko falava aos peregrinos italianos.

Me disse que para entrevistá-lo, queria estar próximo a imagem da Virgem, que fica na praça da igreja. Calçava um par de chinelos, porque quando saiu de casa, não imaginava que iria precisar de um par de sapatos.
Me chamo Nicola Pacini. Nasci em 13 de novembro de 1977 e moro em Florença. Tinha uma doença muito grave que me levaria a morte. Seu nome era distrofia muscular deformante. Não podia caminhar e tinha uma das mãos totalmente fechada. Há quatro anos, começou a atrofiar um pé. Em maio deste ano não podia mais caminhar. Logo adoeceu o outro pé e a outra mão também se fechou.
Faz quinze dias chegou a minha casa uma senhora que me falou sobre Medjugorje. Já sabia da existência deste santuário, mas nunca pensei em vir aqui. Me mostrou muitas fotos, mas não tinha nenhuma deste local onde está a imagem da Virgem.

Na noite seguinte a visita, sonhei com esta imagem toda branca. Sonhei também com aquela que está na paróquia de padre Jozo. No sonho a Virgem acenava com as mãos e me dizia: “vem aqui, vem aqui!”.
Quando acordei contei para a minha família o que tinha sonhado e decidimos vir até Medjugorje.
Ao anoitecer de 7 de dezembro de 1990 finalmente chegamos. Foi muito bonito, porque não havia luzes, somente aquele silêncio e recolhimento que nos ilumina interiormente onde quer que estejamos.

Assisti a Missa e participei das orações com muita atenção. Aconteceu que a mão direita, que estava fechada desde maio, se abriu muito lentamente. Quando sai da igreja, a mão estava normal e a movia perfeitamente. Estava ainda na cadeira de rodas, mas com uma das mãos curadas.
No dia seguinte, sábado, 8 de dezembro de 1990, voltamos a Igreja. Contei para esta amiga sobre o sonho que tive com esta imagem. Queria ir vê-La. Chegando diante da imagem, tirei várias fotos. Neste momento senti o desejo de levantar-me. Tentei e o consegui. Caminhava perfeitamente bem. Me sinto de verdade muito contente e agradecido.

Traduzido do espanhol por Gabriel Paulino
Fonte: livro TESTIMONIOS SOBRE MEDJUGORJE – Mario Danelon – Editora BONUM – 2006

Salve Maria!

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado.