Testemunhos

Testemunho de Kathy Jones

Gabriel Paulino
Escrito por Gabriel Paulino em 18 de fevereiro de 2014
Testemunho de Kathy Jones

Nossa Senhora em medjugorje“Fui criada em um lar luterano devoto em Nova York e sempre acreditei em Deus, mas da minha adolescência em diante eu rejeitei a religião organizada, acreditando que foi totalmente criada pelo homem e não por Deus. Depois de casar com Ed e relutantemente concordar em criar os nossos filhos católicos, eu disse a ele: Nunca espere que eu me torne católica Você tem que ter nascido assim. Você teria que ser louco para escolhê-la voluntariamente ” eu rejeitava os ensinamentos da Igreja, achando que foram feitos por homens que não tinham nada melhor para fazer do que fazer com que as pessoas se sintam culpadas e miseráveis. Ocasionalmente eu ia à igreja com minha família, mas achava profundamente chato.

Em 1987 eu fui diagnosticada com câncer cervical e havia uma grande cirurgia, que revelou que tinha se espalhado para os nódulos linfáticos. Passei por sessões intensivas de quimioterapia e radioterapia, mas o futuro parecia sombrio e a recorrência inevitável constantemente pairava sobre minha cabeça. Durante o meu tempo de internação, clamei a Deus, dizendo: Se você está realmente lá fora, por favor tire esse desespero para longe e deixe-me aceitar o fato de que eu vou morrer antes de que os meus filhos estejam crescidos. Eu esperei, mas não sentia paz e conclui que não havia ninguém lá fora, que ninguém realmente importava. – que a oração era apenas uma ilusão Para piorar a situação, os patrões de Ed se mudaram para Dallas, Texas, durante a minha recuperação, e eu tinha certeza que eu iria acabar morrendo lá sem o meu sistema de apoio da família em Nova York.

Através de um conjunto de circunstâncias estranhas que somente Deus poderia orquestrar, eu me dirigi com minha sogra para uma reunião de oração em janeiro de 1990, e com relutância, acabei no quarto com um terço colocado em minhas mãos. Eu queria desesperadamente ficar sem ele, mas o terço ficou educadamente enquanto que o grupo orou, e realmente comecei a rezar com eles e uma profunda sensação de paz, de repente veio sobre mim, o medo me deixou e eu estava cheia de esperança. – toda a minha vida mudou nesse dia, por intercessão de Nossa Senhora da Esperança … a Rainha da Paz!

Em outubro daquele ano Ed e eu fomos visitar o Seu santuário em Medjugorje (e durante a peregrinação tornou-se evidente que Deus queria São Francisco de Assis como um intercessor especial e guia para minha vida). Fomos ver o Padre. Jozo Zovko em Tihaljina. Ele me abençoou e rezou com as mãos estendidas sobre meu corpo. Esta foi uma experiência poderosa. Meus amigos me disseram que eu tinha recebido uma cura. Hoje eu ainda estou livre do câncer. Eu ainda não sei se isso é um milagre ou um simples resultado de cuidados médicos. Mas a graça mais importante que eu recebi, então foi uma cura espiritual.

Esta ex-mulher cética, tornou-se católica na Páscoa seguinte, de 1991, e a recepção diária da Eucaristia tem sido o coração do meu dia desde então. Meu marido Ed, agora diácono, faz-me lembrar como eu costumava brincar com ele sobre ir à Missa todos os domingos, e como eu me recusei a deixar que um sacerdote entrar no meu quarto de hospital, mesmo quando eu estava muito drogada com morfina! Como parte do meu ministério, trago o Senhor da Eucaristia para os doentes no hospital e rezo com eles. Com Deus, nada é impossível.

Agora, eu sinto uma alegria dentro de mim e eu gostaria de fazer alguma coisa para a Mãe Santíssima. É um grande prazer estar em sua escola do amor. Rezar o terço! Ouvir mensagens de nossa Mãe e lê-las ao vivo! Ela nos diz: “Se soubessem o quanto os amo, chorariam de alegria.”

Tradução: Gabriel Paulino

Fonte: Children of Medjugorje

Salve Maria!

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado.

One Reply to “Testemunho de Kathy Jones”

Maria José Gil Conde

Efetivamente, neste caso, mais um entre centenas “impossiveis”, não retirando o mérito a clinicos, houve outra “Mão”, que se sabe quem foi. E ainda bem. O que me faz pena, é que muita gente até tem necessidade de ir lá, indubitavelmente, mas os recursos económicos, pela atual crise financeira, impedem a deslocação. É duro, é. Quanto aos testemunhos aconselho a guardar os mesmos na pasta “Mover para”, porque ali ficarão para sempre. Está sendo feito um belissimo trabalho, para pensar, compreender, sentir…